Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

E agora?

Pelo pouco que se vai sabendo começa a ser evidente que a crise financeira ainda está longe de ser superada e há muito que ultrapassou os títulos sub-prime, propagando-se a todo o sistema financeiro. Ninguém sabe ao certo qual a dimensão real das dificuldades que estão a ser sentidas pelos bancos, as próprias declarações dos ministros das Finanças da zona Euro no sentido de tranquilizar os depositantes só podem merecer desconfiança, se dizem que os depósitos serão garantidos é porque algo de mau está a suceder longe das nossas vistas.

 

Ainda a crise está longe de ser superada e já são visíveis as dificuldades no acesso ao crédito e isso significa retracção da actividade económica, significa menos consumo e, em consequência, menos procura de produtos de que resulta menos produção e a redução do crescimento económico. Mas não são só os consumidores que recorrem ao crédito, a maioria das empresas também carecem dele para manter a sua actividade, desde o empreiteiro de obras públicas que carece de garantia, ao exportador que muitas vezes depende da capacidade de acesso ao crédito por parte dos seus clientes, passando, por exemplo, dos produtores nacionais que vendem às grandes superfícies e que suportam os grandes prazos de pagamento alargados recorrendo à venda dos seus créditos a empresas de factoring. A prolongarem-se as dúvidas a recessão é uma consequência inevitável.

 

Os governos e, em particular, o governo português estão confrontados o maior desafio que enfrentaram no domínio da política económica. A pouco tempo da apresentação do Orçamento todos estarão agora a questionar-se sobre o que fazer.

 

Reduzir os impostos? Seria uma solução mas tal só seria admissível reduzindo a despesa e isso só é possível aumentando o défice, reduzindo a despesa com os funcionários, cortando na despesa corrente ou diminuindo o investimento público. Venha o diabo e escolha, qualquer uma destas opções pode ser desastrosa.

 

Adiar as obras públicas como já alguém defendeu? Isso significa acelerar a recessão pois instalar-se-ia a desconfiança de sectores indispensáveis ao crescimento económico. O adiamento das obras públicas levaria a uma baixa de expectativas de vastos sectores da economia, não se limitando às próprias empresas do sector.

 

Baixando os preços dos combustíveis? Daí só resultaria um sinal errado para a economia, aumentaria o consumo ineficaz, agravar-se-ia o défice comercial e muito provavelmente não teria qualquer impacto nas empresas, a não ser nas petrolíferas.

 

A verdade é que os governos pouco poderão fazer, mesmo que tenham uma grande preocupação com as consequências sociais de uma recessão. Aumentar as pensões e as ajudas ao rendimento? No caso de o desemprego se agravar a despesa em subsídios de desemprego agravar-se-á fazendo perigar as contas públicas.

 

Não é tempo de esperar que a crise financeira passe, já se percebeu que não vai passar, havendo ainda o risco de se agravar. É tempo de pensar o que fazer, é tempo de todos os agentes políticos assumirem as suas responsabilidades e perceberem que a dimensão da crise é demasiado grande para que seja analisada apenas na perspectiva de jogos eleitorais e disputas de poder pessoal.

 

Que cada um, Presidente da República, partido do Governo e partidos da oposição faça o seu melhor, nas próximas eleições (sejam regionais, autárquicas, legislativas, europeias ou presidenciais) os portugueses saberão avaliar o comportamento de cada um e votar naqueles em quem mais confiam.

 

retirado do jumento http://jumento.blogspot.com/

publicado por peixebanana às 01:44
link do post | comentar | favorito
|

.Sobre um dia perfeito para os peixes banana

 

Um dia perfeito para os peixes banana é um blog sem cor, mas com opinião acerca de algumas questões que são importantes para todos nós. Não pretende fazer oposição a nada nem a ninguém, pretende apenas despertar os sentidos de quem pode fazer mais e melhor. Tem acesso livre e publicação de comentários que embora moderados são normalmente publicados na integra (a moderação serve exclusivamente para que se proteja a integridade pessoal da nossa gente).
Se pretender contactar o blog via email pode fazê-lo para peixebanana@sapo.pt e colocar as suas opiniões, duvidas ou participar no blog. Um dia perfeito para os peixes banana reserva-se no direito de publicar apenas o que acha válido para uma opinião responsável e construtiva.
A causa publica é a principal bandeira e existe para que através de uma opinião (que não passa disso mesmo), se possa debater um tema e assim adquirir conhecimento.
Quem não gosta do formato não veja, quem gosta sinta-se em casa, mas ambos são bem recebidos.
 
Um dia perfeito para os peixes banana

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo.

 

Clarice Lispector

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favoritos

. QUARTOS-CHAMBRES-ROOMS

.links

.o tempo

eztools.com

.sobre o peixe banana

.posts recentes

. ...

. retratos

. Movimento Unidos pelo Con...

. twenty three:

. Curtas

. Moderação

. Um docinho...

. Unidos Venceremos

. Apresentação do candidato

. Modern Toss

. Era uma vez...

. more wordboner

. O curso

. Projectos do Sr. Eng. Soc...

. Sim é possivél, urinar em...

. PLANO PARA SALVAR PORTUGA...

. Word Boner

. tumblr

. Para quem ainda tinha duv...

. Viana tem mais encanto na...

Alucinações

 
Um polícia reformado imagina que uma criança inglesa morreu num trágico acidente e que o corpo foi congelado ou conservado no frio pelos pais e amigos.

Um político socialista imaginou que era possível combater a corrupção neste sítio cada vez mais mal frequentado, apresentou um pacote de medidas e ficou muito desiludido quando o seu partido o atirou para o lixo e aprovou um conjunto de diplomas que vai deixar tudo como antes, o quartel-general em Abrantes. O mesmo político imagina, agora, que a corrupção está mais elevada do que nunca e fica triste porque ninguém lhe liga nenhuma.

A líder do maior partido da Oposição imagina que é possível chegar ao poder sem andar por aí em festas folclóricas, em espectáculos medíocres e chega ao ponto de dizer que vai tentar falar verdade sobre os problemas do sítio e que não se pronuncia sobre assuntos que não conhece.

Um ministro deste Governo socialista imagina-se como director comercial de uma multinacional e salta de contente sempre que assina um contrato com uma empresa qualquer. O mesmo governante imagina um dia que a crise económica, financeira e social já passou e no outro imagina que o que aí vem vai ser bem pior.

Um primeiro-ministro que os indígenas elegeram em 2005 com maioria absoluta imagina que vive num sítio maravilhoso, com uma economia pujante, com um nível de vida extraordinário, com cidadãos altamente qualificados e até imagina que Angola tem um governo fabuloso, digno dos maiores elogios, que a Líbia é dirigida por um ser normal, democrático, que até escreveu em tempos um livro que só por acaso não ganhou o Nobel da Literatura e que a Venezuela tem um presidente civilizado, com os alqueires todos no sítio e que merece ser recebido várias vezes em poucos meses com gestos de grande carinho e amizade.

Um Presidente da República imagina que os seus silêncios são mais importantes do que as suas palavras e imagina que quando discursa alguém o ouve verdadeiramente com atenção. Imagina que quando fala na necessidade de se combater a corrupção ou atacar a sério os problemas da Justiça e da Educação alguém o leva verdadeiramente a sério e vai a correr preparar mais uns diplomas para indígena ver.

A alucinação, como se vê, veio para ficar. Está a tornar-se numa pandemia. Em vez de dinheiros da Europa, o sítio precisa urgentemente de uma enorme equipa de psiquiatras que o cure da doença enquanto há tempo e esperança de cura.

António Ribeiro Ferreira
[in Correio da Manhã, 28.07.2008]

.visitantes

Web Counters
Cheap Laptop

.subscrever feeds